Uma floresta em pé e cheia de gente

Festival do Rio representa um enorme desafio para quem gosta de cinema, pois é humanamente impossível acompanhar todas as sessões de interesse. São muitos filmes bons sendo exibidos pelos quatro cantos da cidade. Entre uma escolha e outra, fui conferir na tela grande o documentário Amazônia Eterna, dirigido por Belisário Franca.

Daria para falar sobre o filme a partir de várias perspectivas. Escolhi dar mais peso para o que mais me chamou a atenção, que é a defesa corajosa e consistente que a Amazônia mais resistente será a floresta em pé e cheia de gente. Sim, a floresta não é um vazio de gentes. Só advogam a versão da imensidão despovoada os que só a compreendem muito superficialmente, como uma barreira ao desenvolvimento. Há uma enorme biodiversidade que habita a Amazônia, inclusive humana.

Tudo o que deu mais certo por lá foi o que entendeu a floresta em pé como a mais produtiva. Há vários casos interessantes no documentário. E muitas histórias também de gente que destruiu o suficiente para entender que a floresta derrubada, transformada em clareira de savana, não leva a nada. É o que nos dizem pecuaristas, industriais e proprietários de monoculturas.

O filme é de uma beleza desconcertante. Com a liderança de Gustavo Hadba, a equipe de fotografia e direção parece ter se divertido muito inventando planos, posições de câmera e descobrindo espaços não visitados para xeretar. Tudo muito bem envolvido por uma montagem que valoriza uma narrativa mais cinematográfica, com excelente tratamento de som.

É estranho e diferente ver, no Brasil, um longa documental que não está baseado no corta e cola de trechos de depoimentos. Há espaço para a imagem, para o som, para a trilha, e para uma platéia embevecida que comentava baixinho na sala escura: “que imagem é essa?”, “veja, é o ponto de vista do bicho preguiça”, “ele filmou isso debaixo d’água?”…

A impressão é que o material bruto foi sendo peneirado, peneirado, até que restasse o essencial. Eu não sabia que era possível tratar de questões tão complexas de forma tão simples. O filme vai começando devagar, num timming “de floresta”, de barco a remo, cresce em ritmo quando o debate de idéias exige e depois acalma-se, para um final tranquilo, sem grandes frases de efeito, empurrando a plateia para uma realidade distante e, ao mesmo tempo, muito presente em nossas vidas. Não dá pra assistir e não tomar uma atitude, viver algum tipo de mudança, pequena que seja, em defesa desse enorme patrimônio da humanidade.

Segue um link no YouTube para dar um gostinho…
Amazônia Eterna

20121010-090221.jpg